"O Jardim Secreto"

IAB, Porto Alegre - RS, 2016

Curadoria Letícia Lau

Desde a Antiguidade os jardins foram espaços dedicados ao descanso, ao cultivo, e também a contemplação, além de muitas vezes representarem ideias filosóficos e religiosos. 

Na arte, os jardins foram celebrados através de pinturas, estudos botânicos, desenhos, livros, manuscritos e artes decorativas, registrando o seu caráter mutável através dos tempos. 

 

No livro infantil "O Jardim Secreto", de Frances Hodgson Burnett, primeiramente publicado em 1911, o jardim era um refúgio onde a personagem encontra alegria e mostra como uma pequena mudança de atitude, pensamento positivo e praticidade é possível mudar a perspectiva da sua própria vida. 

 

Da mesma forma, O Jardim Secreto, criado pela artista Adriana Giora, é sua visão sobre o jardim privado, cada vez mais precioso em nossos dias, diante de uma sociedade urbanizada. 

Ele simboliza os sonhos e um refúgio para apreciar, circular e refletir. A proposta não é criar um simulacro da realidade, mas transpor para a linguagem artística sua poética, e criar a possibilidade de se reconectar com a natureza.

 

Numa tentativa de extrair da cerâmica seu máximo potencial artístico, Adriana cria peças a partir do desdobramento do formato de pote, transformando em peças modulares que se multiplicam, formando um conjunto de elementos que se unem ao ferro para compor a instalação.

 

As peças se projetam através das sombras devido as formas vazadas, criando uma atmosfera rica em elementos visuais. Foram amassados e moldados centenas de quilos de argila, transformando o barro em 3.000 peças associadas ao ferro e aos frios de cobre que se instalam na sala em formato de flores, cipós, troncos e folhas. Neste jardim os segredos estarão seguros e os portões abertos para se conectar, experienciar, sentir, contemplar, refletir, e quem sabe se reencontrar.

 

Texto by Letícia Lau

Na mídia